quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Esqueci

Logo eu, tão observador esqueço...
Esqueço nomes, esqueço detalhes,
Esqueço conversas, esqueço palavras...

Logo mais esquecerei teu rosto...
sucumbirá do meu pensamento...
e não mais aparecerá...
Te esquecerei de vez....

Te procuro e não acho...
Te procuro agora na minha lembrança....
Sumiu...

Não lembro mais teu rosto....
Nem mesmo a tua voz fica....
Mas nem tudo se perde...
Lembro dos teus olhos apenas...
Lembro teu olhar...
De pouco adianta...
ele também sumirá....
e ficará apenas a breve lembrança daquela noite...

Resta um dia talvez esperar te encontrar ao acaso...
Se eu claro..
Lembrar do teu rosto ao te ver...

3 comentários:

Julio Marin disse...

Forte... acredito ser bom não lembrar, mas também acho injusto. Prefiro viver com o peso da lembrança, do que com a ilusão de não ter vivido, por apenas deixar de lembrar...

E se amou, nem que por um instante, por mais que lutemos contra isso, eu algum momento, lembraremos de todos os detalhes.

Grande abraço

Márcia Marinho disse...

Isso é que é inspiração! Da falha da memória nasceu uma poesia. Adorei.
Porque geralmente, quando a gente esquece, desliga. Mas, no teu caso, ainda restam algumas pequenas lembranças.
Se foi tão bom assim, te agarra aos detalhes que não se apagaram, pra que eles não se percam e quem sabe, assim como da pouca memória veio um poema, de um detalhe vem um momento inteiro de lembrança?!

É por essas e outras que te indico:

USE A CADERNETINHAAAA!!!!

Hehehehe.

E não fique tanto tempo sem escrever!!!! Tem gente que lê o Céu de Ninguém!!!!!

Beijim.

Anônimo disse...

''E não fique tanto tempo sem escrever!!!! Tem gente que lê o Céu de Ninguém!!!!! ''(2 )
.
.
leticia