quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Sozinho

o despertador que acorda
o olho que abre
a cama vazia
o banho de sempre
o café que acaba
o pão no final
o relógio que não para
o atraso de sempre

o almoço sozinho
o tempo corrido
a tarde chuvosa
o cigarro que acaba...

final da tarde que chega
o café no bar
o atraso de sempre
as conversas com fim
o tempo que é curto

chegada em casa
o banho de novo
a janta de sempre
o dia que acaba
a noite que chega

a música que para
a tv que desliga
a ligação que cai
a luz que se apaga
a porta que fecha

os olhos que fecham
o sono que não vem
a cabeça que não para
os pensamentos a mil
o silêncio ensurdecedor

a paciência que finda
a decisão que não chega
a incerteza que incomoda
dúvidas que atrapalham
a falta de tempo
o fim de tudo
o cansaço de sempre

4 comentários:

Márcia Marinho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Márcia Marinho disse...

O sempre inspirado Felipe, presenteando seus leitores com textos de palavras sutis e significados pertinentes.

Quem está sozinho se enxerga nesse texto!

Adorei.

Anônimo disse...

acho que tu ta precisando de umas feriazinhas.. rsrs
.
bjo querido !

letícia

Cristiano Contreiras disse...

a poesia reina aqui, parabens! seguirei!